quinta-feira, 27 de maio de 2010

Lá estarei

Nas campinas
Em um vale imenso
Meu louvor
Não difere do de Bach
Em Jesus, alegria dos homens
Boca e ar
Para adorar
Meu caminhar solitário
Nas manhãs frias
Boca e ar
Meu instrumento simples
Não ocupa espaço
Vai ao céu
Toco ao vento
Meu assobio
Sincero
Para te adorar
A canção solitária
Em uma paz...
Minha alma
Em um sopro
Atravessa os vales
Terra e mares...
Para te glorificar
Jesus , alegria dos homens.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Eu sei


Quem fui ?
Fostes preparada
Ao longo dos anos...
Para me ajudar
Ser feliz
Quem sou ?
Eu sei responder
Quem tu és?
Tens as palavras
Com postura de amor
Me ajuda a viver
Perceber
Nem sei...
Não digas assim....
Eu sei.... quem tu és?
Sabes lidar com o belo!
Sabes lidar com o bem!
Por ser especial...
Angelical para mim
Eu sei... quem tu és?
A que vê minha alma
Compreende meu ser
Que fala com amor
De quem nos amou
Quem és?
A Ju, de Jesus.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Adote


Adote
Adicione
O silêncio
Não é sadio
Alguém precisa
Ouvir A verdade
O adote
E viva
Outros precisam ver
Adicione o Nome
Acima de todos os nomes
Não feche sua porta
A quem chegar cansado
Nada de migalhas
O Pão
Adote seu irmão
E adicione seu olhar
De ver
De se envolver
A que distância tu podes ir?
Alguém precisa descobrir
O significado mais elevado
O que é ser livre
Adote a ideia
Se solte para unir
Busque para encontrar
Ajude a consertar
Chore as dores
Cante para alegrar
Indique O Caminho
Aos que viajam sem rumo...
Diga como chegar ao céu.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Ação


Amo, porque preciso de ti
Condição não ideal
Um ato utilitário
Preciso de ti porque amo
Amor incondicional
O ideal de Deus

A porta é estreita
Deixe sua mochila
Do lado de fora
Para onde irás
Não precisarás
Nem de um lenço

Sua prudência exagerada
Não deixa espaço
para recepção
Que pena... não irás conhecer
Aqueles que semeiam a paz

sábado, 8 de maio de 2010

Me ajude


A superficialidade
Não vê as carências
Até vê ... se envolver
Não...
Há um vácuo
Ausência de cobertura
Afetividade nos falta
Que vida dura...
Não é mimo
Ou imaturidade
Vazios emocionais
Não podemos negar
Há criaturas que não
São notadas
Não captamos
As carências
Por que?
Será carência de doação?
Há uma trama de encaixes
O que muitos desconhecem
Por carência... Somos todos
Carentes...
Há uma carência de pensar
Carência de se doar
Me ajude a encontrar a diferença
Gosto, porque preciso de ti
Preciso de ti porque gosto
Há um apelo interno
Em cada um de nós
Carências... parciais ou plenas
Assumir que somos o quê nos falta...
Fazer por nós... pelos outros
É dando que se recebe...
Já sei a resposta!
Preciso de ti porque gosto
Quem nos amou primeiro?
Pode e sabe nos ensinar
Em nossas carências.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Gentileza


Já nos dizia o fanático
O louco solitário
Gentileza gera gentileza
O que está gravado
Nas colunas dos elevados
No olhar de Marisa Monte
Foi canção
O que está gravado passou
Ser observado
O que dizia o profeta
Gentileza gera gentileza
O que está gravado
Será restaurado?
Uma frase fria...
Em uma coluna de cimento
Um exercício diario
Nos aquece...
Gentileza gera gentileza
O contrario é nosso fim...