quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Náufrago


Como um náufrago em busca de uma ilha
Saí pela amanhã em busca das palavras
Palavras abrigo, alimento e amenidades
Há uma rapidez em não se bastar
Olhos e mãos, neuroses em ações
Busco encontra-las para acalmar minh'alma
Caleidoscópio formam versos, desenhos
Lágrimas de crianças e homens que choram
Saio pelas noites em busca de palavras
Náufrago que retorna para praia em caos
Os ventos dos inventos não trazem paz
Nada moderno,tudo tão antigo
Corações sem afagos
Mudos, surdos e cegos
Oceanos de enganos
Tempestades, furações
Perdi a capacidade de compreender
As questões que animam a vida
A poesia objeto de arqueologia
Em meu dia a dia, palavras frias
Notícias repetidas, mortes e corrupção
Como ser poeta em um mundo tirano ?
Uma obsessão pelo mal
Não sei se estou morto ou vivo
A verdade é a maior vítima
Sangrando em sua morte
Os homens preferem a mentira
Saio pelas ruas em busca
Da palavra paz que no mundo não a vejo
Ausente em mentes que mentem
Tenho atravessado oceano
Mar revolto, vagas e mais vagas
Na madruga uma voz se faz presente
Sossegai...respire meu sossego
Já agora palavra tesouro
Para quem busca um viver
A não solidão, o verdadeiro
Sentimento de Paz.
Palavras de Jesus...