sexta-feira, 20 de julho de 2012

O filme


Em tela que não é plana
A poesia em agonia
Virando notícia fria
Não paguei para chorar esta cena
Todas as manhãs imagens similares
Cores de sangue, dores
Batman não pode conter
A Aurora negra
Nada ficção, Acão!
Cavaleiro das trevas
Ressurge em cada esquina
Rio, São Paulo, Síria...
Fanáticos, lunáticos
Zumbis movidos por pedras
Destroem a flor em botão
Não paguei para chorar...
Cenas de juventude em miserabilidade
Filme sem rumo
Choro real em muitas casas
Pavores, horrores....
Em Cenas ressurgem
Mocinhos, bandidos
Um silêncio de dores
O filme não acabou
Lágrimas... lágrimas

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Essência


Triste fim é assim
Razão por demais
Nos inquietou
Matou, feriu, destruiu
A essência esquecida
Dela os pássaros dependem
Dela abelhas e flores
O homem não percebe
A racionalidade de ter
A razão que destrói
As ruínas marcam nossa passagem
Nossa essência estudos de ciências
A imagem de Deus se perdeu
O homem um retrato opaco
Da essência desta terra
Somos criados, imagem...
Não rascunho.... opaco
Seres com alma
Me resta saber
Como serão as vidas
Guiadas por robôs humanoides?
Ocupando praças, projetando vidas
Não mais a essência Divina
Máquinas imagens dos homens
Vidas sem Vida.