sexta-feira, 11 de novembro de 2016

INVASÃO

Há um ponto fora da curva
Vejo tudo fora da ordem...
Poesia fria...não queria que assim fosse
Muita informação, pouco saber
Muita enformação
Não é um erro de grafia
É a forma do mundo
O saber não está em banco da escola
Há pontos fora da curva
Lições do desaprender
Mestres sem alunos
Alunos mestres de si
Lugares onde se ri ou se chora
Hospital ou escola onde estamos?
Gasto de energia inútil...Massa de manobra
Velho discurso...mudar!
Vamos mudar o outro,  eu?! Eu não mudo
A lição do Mestre dos Mestres
Não sei e nem quero aprender a
Não se guarda vinho novo em odre velho
Sangue e lágrimas no pátio da escola
Uma lápide, um deboche
Aqui jaz o saber
Professores em dores,  alunos aos gritos
Até quando essa velha palavra de ordem?
Até quando essa desinteligência?
Invasão de ocupação
É para aprender? A escola a quem pertence?
Gritam os pais! Lágrimas dos mestres!
Mudança de fora para dentro, não muda
Mudança prédio caiado!
Mudar de dentro para fora, será assim?
Se não assim, damos tiros em nossos pés
Desaprendemos todos!
Gastemos nossas energias em emoções úteis!
Cada um com seu saber
Em seu tempo próprio e seu espaço
Respeitemos o próximo!









terça-feira, 14 de junho de 2016

Prazer de ensinar

Quem poderia ter tanto prazer?
Deixar o seu lar céu
Para viver o fel
O mundo cão em caos
Quem poderia deixar o seu tempo eterno?
Para viver instantes cruéis
Tempo finito dos homens
Deixar suas ruas de ouro
Para viver o drama da lama iníqua dos homens
Houve a Palavra que se fez carne
O pleno trazer de se doar
Prazer de ensinar          
Doentes do corpo, da alma e da mente
Um brado do céu se ouviu
Este é meu filho amado, ele me dá prazer
Livro desatado e aberto
Sem o véu da separação
Ele fora, ele é o Mestre dos mestres
Simples sem pompa, sem anel no dedo
Não escreveu nenhum livro
Mas era ele sua própria matéria
A palavra de ricas licões
Que homem é esse?!!
Sua paixāo de ensinar sobre a vida
Quando a morte o rondava
Que Mestre é esse?!
A morte o rondava! Ele não desistia
De seu sonho fez sua meta
Salvar vidas de todas as nacões
Suas licões como vencer a morte
Com seus discursos fez multidōes de discípulos
Ensinou-os a caminhar dentro de si
E perceberem o prazer de beber em sua fonte
Fonte da água da Vida.