terça-feira, 14 de junho de 2016

Prazer de ensinar

Quem poderia ter tanto prazer?
Deixar o seu lar céu
Para viver o fel
O mundo cão em caos
Quem poderia deixar o seu tempo eterno?
Para viver instantes cruéis
Tempo finito dos homens
Deixar suas ruas de ouro
Para viver o drama da lama iníqua dos homens
Houve a Palavra que se fez carne
O pleno trazer de se doar
Prazer de ensinar          
Doentes do corpo, da alma e da mente
Um brado do céu se ouviu
Este é meu filho amado, ele me dá prazer
Livro desatado e aberto
Sem o véu da separação
Ele fora, ele é o Mestre dos mestres
Simples sem pompa, sem anel no dedo
Não escreveu nenhum livro
Mas era ele sua própria matéria
A palavra de ricas licões
Que homem é esse?!!
Sua paixāo de ensinar sobre a vida
Quando a morte o rondava
Que Mestre é esse?!
A morte o rondava! Ele não desistia
De seu sonho fez sua meta
Salvar vidas de todas as nacões
Suas licões como vencer a morte
Com seus discursos fez multidōes de discípulos
Ensinou-os a caminhar dentro de si
E perceberem o prazer de beber em sua fonte
Fonte da água da Vida.




Desinteressante

Não as vejo no jardim, flores Com dores traçamos destinos Balas traçantes, mortes, triste instante Só noticias frias, sem poesia Cambale...